Conversas com professores e alunos #1

Nas últimas semanas e meses, recebi alguns convites para conversar sobre o livro que publiquei (que você pode comprar aqui), a pesquisa atual que venho desenvolvendo sobre o trabalho dos psicólogos nas prisões e também sobre minha experiência enquanto conselheiro no Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais (CRP-04). A pandemia acabou estimulando esse tipo de convite, principalmente quando se trata de aulas virtuais em outros municípios e estados.

Além das cinco lives e encontros que participei desde abril/2020, elencadas aqui, como sempre utilizo o blog para organizar as ideias, resolvi elencar essas participações igualmente e também comentar e agradecer a troca de ideias com os professores responsáveis e com os alunos, que sempre fazem perguntas que nos ajudam ainda mais a refletir.

A primeira que me lembro foi em 24/06/2020, a convite do professor e colega de conselho Luiz Felipe Viana Cardoso, para alunos do curso de Psicologia da UNIPAC Lafaiete, com o tema “A Psicologia e o Sistema Prisional: possibilidades de atuações”. Além de discutir um pouco da minha experiência na Coordenação da Comissão de Orientação da Psicologia no Sistema Prisional e Socioeducativo, do CRP-04, essa foi a primeira oportunidade que tive de conversar sobre a minha pesquisa do doutorado, cujo campo ainda iniciaria.

Tempos depois, fui convidado pelo Rafael Lima Stepanski para falar sobre o meu livro e a minha pesquisa com agentes penitenciários que atuam em um manicômio judiciário ao seu grupo da Seção de Psicologia do Trabalho da Justiça Federal do Rio Grande do Sul. O encontro aconteceu no dia 03/09/2020. O Rafael foi uma das pessoas que conheci no último IV Colóquio Internacional de Clínica da Atividade (CICA), que aconteceu em novembro de 2019, em Bragança Paulista, São Paulo.

Já no meu período de férias, a partir de 01/10/2020, dedicada a realizar a pesquisa de campo do doutorado, escrever e estudar – e algum descanso, porque ninguém é de ferro -, os convites aumentaram.

Fui convidado pelo meu amigo dos amigos Rodrigo Lopes Miranda, Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, a promover um “Diálogo sobre prisões, psicologia, ética e direitos humanos”, na manhã de 20/10/2020. Essa foi a primeira chance que tive de já discutir os resultados preliminares da minha pesquisa de campo. A questão da ética da profissional em contraponto com as demandas institucionais nas prisões, e sua interface com a garantia dos Direitos Humanos, é uma das principais norteadoras da minha análise.

No dia seguinte, 21/10/2020, a convite do meu professor e colega de publicações Carlos Eduardo Carrusca Vieira, fiz o lançamento do meu livro no curso de Psicologia da PUC Minas, em Belo Horizonte. Intitulada “O dom de ver atrás do morro: uma análise psicológica do trabalho no sistema prisional”, a apresentação foi uma oportunidade de divulgar o livro e também discutir minha trajetória profissional e acadêmica, trazendo alguns pontos da atual pesquisa.

Fruto de algumas participações anteriores, recebi um convite da professora Alcione Januária Teixeira da Silveira, do curso de Psicologia na Faculdade Vértice – Univértix, Campus Matipó, em Minas Gerais, para discutir a minha pesquisa atual, na noite do dia 03/11/2020. Aproveitando que estava – ainda estou – no meio da pesquisa de campo, juntei o útil ao agradável e elaborei uma apresentação do projeto e dos resultados, o que também ajudou a organizar as ideias, já que o campo costuma bastante intenso.

Pouco mais de uma semana depois, dois convites de colegas do Doutorado na PUC Minas também me aguardavam. No dia 12/11/2020, pela manhã, a convite do professor e colega Rafael Soares Mariano Costa, discuti a minha experiência no Conselho Regional de Psicologia com alunos do curso de Psicologia da Faculdade Pitágoras. Falar sobre a minha experiência no Conselho é sempre retomar um processo de transição entre o quase total desconhecimento das atividades do Conselho – em grande parte, por minha responsabilidade – e o ingresso na função de Conselheiro em setembro/2019.

No mesmo dia, à noite, a convite da professora e colega Emanuelle das Dores Figueiredo, pude conversar sobre as minhas pesquisas em uma instituição total com alunos do curso de Psicologia da Faculdade de Ciências e Tecnologia de Viçosa, Minas Gerais. Essa foi uma oportunidade de discutir aspectos específicos de uma pesquisa intervenção em uma instituição total como são as prisões e manicômios judiciários, além de analisar as implicações ser um pesquisador-trabalhador na instituição.

Por fim, no dia 17/11/2020, à noite, a convite do meu colega de Mestrado na PUC Minas, o professor Thiago Casemiro Mendes, falo sobre as clínicas do trabalho, abordagem que venho estudando há algum tempo e utilizando nas minhas pesquisas, a alunos do curso de Psicologia da Faculdade de Nova Serrana – FANS, em Minas Gerais. A iniciativa dele de trazer as clínicas do trabalho aos graduandos em Psicologia é muito importante, já que essas perspectivas ainda são contra hegemônicas no que se refere à Psicologia e suas interfaces com as organizações e com o trabalho.

Todas essas oportunidades, além de levar aos alunos, professores e pesquisadores diferentes experiências de pesquisa e abordagens teórico-metodológicas, são fundamentais pra mim, que, além de acumular produções para o lattes, acabo sendo incentivado a organizar os conhecimentos e também exercitar a transmissão de tudo isso.

Quero saber a sua opinião. Deixe o seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.