O trabalho que não fazemos: a atividade impedida

Trabalho e Psicologia

O homem não se manifesta somente pelo que faz, mas, às vezes e em certas circunstâncias, sobretudo pelo que deixa de fazer (Yves Clot)

Não, o título não fala do trabalho que deixamos de fazer, da procrastinação ou da enrolação para entregarmos tarefas que não terminamos. Talvez isso seja assunto para outro dia. Por enquanto, vamos além.

Há alguns anos, passei por uma experiência interessante. Sabe quando só percebemos a importância de alguma coisa muito tempo depois de a termos conhecido? Calma, sem romance. Não estou falando de uma pessoa, mas sim de um conceito.

Me lembro que, durante a universidade, ao estudar autores da Psicologia do Trabalho, li textos de um cara francês chamadoYves Clot. Ele era autor de um livro com uma capa fenomenal, toda branca, com uma formiga carregando uma folhinha, chamado “A função psicológica do trabalho” (Editora Vozes, 2006).

Naquele momento, optei por me…

Ver o post original 976 mais palavras

Anúncios

Quero saber a sua opinião. Deixe o seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.